Gnome Shell – Vale a pena instalar

O GNOME-Shell é o ambiente de trabalho sucessor do GNOME 2 (que agora passou a se chamar GNOME Clássico) e que muitos utilizadores do Ubuntu sempre conheceram. A mudança radical que veio junto com o GNOME-Shell é que os dois painéis dessem lugar a apenas um visível, além de diversos recursos que refletem drasticamente na produtividade do usuário. Vários efeitos de sombreamento, janelas e áreas de trabalhos foram inseridos, junto com um novo modo de utilizar o seu computador através da Dash (imagem acima do lado esquerda).

O GNOME-Shell é a alternativa comum aos utilizadores do Ubuntu que não gostam do Unity (o ambiente padrão da Canonical), tanto que a própria Canonical já está pensando em criar uma versão do próximo Ubuntu, 12.10, com o GNOME-Shell por padrão, visto haver um grande número de usuários que optam por esta alternativa em ambiente de trabalho, com mais produtividade e menos informações em sua área de trabalho. Cada vez mais utilizadores estão optando pelo GNOME-Shell, que deixa seu computador mais bonito e com todos os elementos que são essenciais para o utilizador, incluindo a possibilidade de personalizar o ambiente completamente: desde os ícones, número de botões da janela até o tema do próprio ambiente de trabalho, algo que foi totalmente excluído do Unity.

O utilizador do GNOME Clássico irá reparar que ele não consegue excluir qualquer item do painel – algo que podíamos fazer com o botão direito do mouse. Toda mudança deve ser realizada instalando extensões. As extensões que existem para o GNOME-Shell são das mais variadas: desde possibilitar a alteração do tema do Shell até auto ocultar o painel superior. Os navegadores mais recentes (Opera, Google Chrome, Midori e o Firefox) já possuem o recurso de extensões. Pela primeira vez um ambiente de trabalho está usando este recurso, mostrando a evolução que o GNOME-Shell está trazendo para os nossos computadores.

Outra mudança considerável foi o menu de aplicativos do GNOME-Shell (Dash equivalente à do Unity). Ele é diferente, lembrando bastante os menus do Android e do iOS:

Pacotes necessários
Para a instalação das extensões do GNOME-Shell, você precisa instalar o próprio ambiente de trabalho. O GNOME-Shell já vem presente nos repositórios oficiais do Ubuntu, por isso a instalação é extremamente simples e passa por copiar o comando abaixo no terminal:

sudo apt-get install gnome-shell

Aguarde o final da instalação e depois faça logoff (no canto superior direito da tela, escolha o último botão e depois vá em Encerrar sessão) em seu sistema. Depois, aquando do login, escolha o Ambiente de Trabalho GNOME tal como é mostrado na imagem abaixo.

Configurações Avançadas do Gnome

Para o gerenciamento de janelas, extensões, temas, botões e etc, você precisará do GNOME Tweak Tool. Este aplicativo funciona como o gerenciador da aparência do seu sistema, podendo mudar a fonte, os botões, a aparência do GNOME-Shell, etc. Para instalar o GNOME Tweak Tool é só digitar o comando abaixo:

sudo apt-get install gnome-tweak-tool

Como instalar extensões no GNOME-Shell

A instalação de extensões do GNOME-Shell é muito simples. Primeiramente você deve estar no ambiente de trabalho GNOME-Shell como já foi explicado anteriormente.

Como exemplo vamos utilizar a extensão Remove Acessibility, que pode ser acessada aqui(https://extensions.gnome.org/extension/112/remove-accesibility/).

Depois de se encontrar no ambiente GNOME-Shell, abra seu navegador preferido, de preferência o Google Chrome/Chromium, Midori ou o Mozilla Firefox e visite o endereço acima. Quando o navegador abrir na página da extensão, clique no botão de instalação da extensão que aparecerá neste artigo. Uma janela abrirá no seu navegador na página da extensão escolhida.

Ao lado do título da extensão terá uma caixa escrito OFF.
Clique em OFF e aparecerá uma janela perguntando se você deseja instalar a extensão. Clique em instalar.

Após a instalação, ao invés de OFF, aparecerá ON.

Você pode desabilitar a extensão através desta página ou através do GNOME Tweak Tool na aba Extensões do Shell

This entry was posted in Linux. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*